Requiem por Pedrógão Grande

Nuno Gomes Oliveira, biólogo e ambientalista português, escreveu hoje um post no Facebook com o título “Requiem por Pedrógão Grande”, e que ficou viral nas últimas horas.

“A culpa, dizem-nos, pode ter sido de uma “trovoada seca” associada a uma onda de calor e ao nosso clima mediterrânico.
Não foi, com certeza, da monocultura florestal, que na zona em questão é essencialmente monocultura de eucalipto.

A culpa não foi do desordenamento florestal e territorial.
A culpa não foi da destruição dos serviços florestais praticada ao longo de décadas por sucessivos governos.

A culpa não foi de quem acabou com os guardas florestais que estavam estrategicamente espalhados por todos os perímetros florestais, dando corpo a uma rede de vigilância que nada veio substituir.

A culpa não foi da desertificação do interior e da falta de medidas para a contrariar.

A culpa não foi da ignorância e compadrio dos decisores que nos tem governado.

De quem a culpa não foi, seguramente, foi de quem perdeu a vida em Pedrógão Grande, porventura no regresso de uma visita à família ou de um passeio calmo, de fim-de-semana.

Sempre tivemos “trovoadas secas”, ondas de calor e clima mediterrânico; o problema não é o que sempre tivemos, mas o que não temos: prevenção, ordenamento territorial e florestal, coragem para travar e fazer regredir as monoculturas.

Em outubro vem as eleições e pouco depois o Inverno, e os decisores só se lembrarão dos fogos florestais no próximo Verão, quando outra tragédia nos vier estragar um Domingo e pôr todos os portugueses sensíveis com as lágrimas nos olhos.”

A tragédia que se abateu sobre os concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Figueiró dos Vinhos não deixou ninguém indiferente.

61 mortos, 62 feridos e dezenas de desalojados, fizeram deste incêndio uma das maiores tragédias dos últimos anos em Portugal.

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *