O Observatório da Certificação Healthia aponta para o crescimento dos alimentos saudáveis e sustentáveis, em termos de tendências globais que terão impacto em 2018. Dado que metade dos europeus segue algum tipo de dieta, são cada vez mais os consumidores que começam a exigir ingredientes, produtos e combinações de alimentos que proporcionem benefícios físicos ou emocionais.

O Observatório da Certificação Healthia enumera, assim, 12 tendências globais nos alimentos. A começar pelo auto cuidado, que ganha cada vez mais relevância. De acordo com a Mintel, o ritmo agitado da vida atual, a conectividade constante e a desconfiança generalizada em relação aos sistemas regulatórios da indústria agroalimentar fizeram com que muitos consumidores se concentrassem no auto cuidado e dessem prioridade ao tempo e aos esforços dedicados a si mesmos. No futuro, de acordo com “Global Food and Drink Trends 2018“, cada vez mais consumidores buscarão ingredientes, produtos e combinações de alimentos e de bebidas que proporcionem benefícios nutricionais, físicos ou emocionais que respondam às suas prioridades de auto cuidado. Por outro lado, “a aversão a ingredientes específicos está a aumentar, à medida que mais cidades, municípios, estados e países aplicam impostos, requisitos de rotulagem e outras estratégias para aumentar a consciencialização sobre os possíveis efeitos nocivos para a saúde do açúcar, sal, gorduras saturadas e outros ingredientes que podem ser evitados”, diz este relatório.

Pensar global, comer local é a segunda tendência. Em muitos países, existe uma apetência crescente para criar pratos com ingredientes obtidos a curta distância. Para muitos analistas, esta é uma corrente que continua a ganhar seguidores em cada vez mais restaurantes.

O boom das proteínas vegetais e sobremesas vegan também continua. É assim que se entende, por exemplo, o relatório do Pinterest sobre o que comeremos e beberemos em 2018. De acordo com a rede social, as buscas sobre proteínas vegetais aumentaram 417% em 2017 e o mesmo pode ser dito sobre as sobremesas vegan, cujas pesquisas no Pinterest cresceram 329% no ano passado.

Beber água ao almoço e jantar ganha cada vez mais adeptos. Por outro lado, as bebidas alcoólicas permanecem estagnadas, especialmente as de maior teor de álcool. Algo que é detetado pela equipa BBC Good Food, que aposta nas bebidas sem álcool como uma das principais tendências para 2018. De acordo com os dados fornecidos por vários supermercados britânicos, as águas tónicas premium com sabores interessantes, “licores” sem álcool e misturas botânicas, como, por exemplo, toranja, limão, cardamomo, carvalho e várias especiarias, estão a inundar o mercado.

Mesa para um, eis outra tendência. São cada vez mais os gourmets solitários.  Há alguns anos, abriu em Amsterdão, na Holanda, o Eenmaal, o primeiro restaurante para pessoas que preferem comer sem companhia e mergulhar numa “desconexão pessoal“. Agora, começa a tornar-se numa prática generalizada noutros países. De acordo com Rob Collins, diretor geral da Wairtrose, à medida que os consumidores assumem o controlo, as convenções sociais estão em declínio, a ponto de não ser mais tabu o facto de se jantar sem companhia.

Alimentos saudáveis ​​em vez de dietas é outra das grandes tendências. Embora metade dos europeus e norte-americanos sigam algum tipo de dieta, imperam de uma forma geral as escolhas saudáveis, diz Ross Anderson, chef da Waitrose Cookery School em Salisbury, no Reino Unido. Assim, enquanto as dietas que excluem alimentos estão a perder popularidade, a procura por alimentos saudáveis ​​continua a aumentar acima de dois dígitos. No total, sete em cada 10 “shoppers” admitem sentir-se mais felizes quando compram alimentos que sabem ser saudáveis.

O que implica mais vegetais do que nunca. Conforme indica a Baum + Whiteman, uma das principais consultoras em restauração, na sua lista de previsões para 2018, os alimentos vegetais continuarão a subir de posição. 83% dos norte-americanos reconhecem estar a incorporar mais alimentos vegetais na sua dieta por razões de saúde. De igual modo, no ano passado, a procura no Google por itens relacionados com o vegetarianismo cresceu 90%. De acordo com este relatório, “Millennials e Geração X estão a adotar uma dieta eminentemente vegetal e provavelmente continuarão a fazê-lo“. As previsões de Baum + Whiteman coincidem com as descobertas de outras organizações. A Global Data observa que o vegetarianismo aumentou 600% nos Estados Unidos desde 2014. Por seu lado, a Mintel disse recentemente que a quantidade de produtos vegan cresceu 92% desde 2014.

Durante 2018, a tendência de “comer com os olhos” continuará, impulsionada sobretudo pelos Millennials. De acordo com a Mintel, os consumidores estão cada vez mais à procura de alimentos que ofereçam uma experiência sensorial. Portanto, solicitam produtos que envolvam os cinco sentidos. O objetivo, às vezes, não é outro senão ser capaz de partilhar a sua experiência de consumo no Instagram, Pinterest e noutras redes sociais. Em resposta, alguns restaurantes estão a incluir mais ingredientes coloridos nos seus pratos.

Transparência 2.0 é outra das tendências. De acordo com o relatório anual da Whole Foods, especializada em alimentos orgânicos, os consumidores querem conhecer a verdadeira história por detrás dos alimentos e o caminho que um produto percorre desde sua origem até a loja. Os consumidores estão cada vez mais a olhar, por exemplo, para aspetos como se um produto é orgânico, se possui a certificação de comércio justo ou se tem em conta o bem-estar dos animais. Quanto mais claro e mais “honesto” for o alimento, melhor será percecionado pelos consumidores.

A crescente facilidade de obter ingredientes de qualquer canto do planeta está a levar a uma gastronomia cada vez mais mestiça. A este respeito, se a comida havaiana triunfou durante o ano de 2017, este ano, alguns observatórios de tendências preveem que as influências culinárias do Médio Oriente aumentarão. Isso poderia explicar porque as especiarias, como o cardamomo e za’atar (uma mistura de especiarias muito popular na Síria, Jordânia, Líbano, Palestina, Israel e, em menor medida, na Turquia), bem como a hortelã e o tahini estão a chegar a mais menus. A outra grande influência durante o ano de 2018 será a culinária indiana e pratos como lentilhas cozidas em caril, arroz com nozes de açafrão ou croquetes de batata e bacalhau com gergelim.

E nada se desperdiça. O chamado “trashcooking” ou cozinhar, especialmente vegetais, mas também peixe e carne de baixo preço, está a colocar à prova o conhecimento e as técnicas dos melhores chefs, para obter pratos requintados em que tudo é usado e nada se desperdiça.

Finalmente, a quarta refeição emerge. “Não se trata de gula, trata-se de adaptar os horários às vidas ocupadas“, diz o relatório anual da Waitrose. Quer se trate de um lanche entre o pequeno-almoço e o almoço ou entre o almoço e o jantar, o relatório Waitrose prevê que, até 2018, muitos de nós adicionaremos mais uma refeição à nossa rotina diária.

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *