O tijolo de adobe é um material usado na construção civil. É considerado um dos antecedentes históricos do tijolo de barro e seu processo construtivo é uma forma rudimentar de alvenaria.

O adobe foi utilizado em diversas partes do mundo, especialmente nas regiões quentes e secas, mas com o advento da industrialização no século XIX, as técnicas em arquitectura de terra foram, aos poucos, sendo abandonadas. Porém, podemos afirmar que estamos vivendo momentos de rompimento do preconceito de utilização deste material, com um novo olhar sobre a arquitectura, uma vez que esta se mostra ecológica e sustentável, por não acarretar desmatamento e emissão de gases com efeito de estufa na atmosfera como os tijolos cozidos.

A construção feita com este tijolo torna-se muito resistente, e o interior das casas muito fresco, suportando muito bem as altas temperaturas. Em regiões de clima quente e seco é comum o calor intenso durante o dia e sensíveis quedas de temperatura à noite, a inércia térmica garantida pelo adobe minimiza esta variação térmica no interior da construção. É por isso que actualmente vemos novas abordagens à construção com este tipo de material, como por exemplo a feita pelo arquitecto Nader Khalili, iraniano de nascimento, californiano por adopção, que desde finais dos anos setenta, desenvolveu na empresa que trabalha, a Cal-Earth, o que designou por “super adobe”, uma técnica de construção à base de sacos de areia e arame, à prova de terramotos, segundo o próprio. 
Ainda segundo ele: “A terra é o material mais ecológico, abundante e duradouro que existe, e além disso encontra-se em qualquer local! Mil milhões de pessoas em todo o mundo precisam de habitação ou as suas casas são débeis e caem facilmente, e com o meu sistema isto não ocorre”.

Artigo do projeto  EcoCasa Portuguesa 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *